25/04/10

esperando



esperando pela prenda
ia sonhando como criança
que aguarda por chegada de festança
imaginando presentes, contando dias, coleccionando insónias
aguardando cerimónias
enquanto na alma
se passeava a tua açucarada lembrança

de repente
em papel electrónico
enfeitado por laço com byte platónico
desenhada no meu monitor
encontrei-te assim
nua, para mim
linda, macia, sedosa
aguardando carícias molhadas
de uma língua ansiosa
dançando ao correr das madrugadas

foram invernos e verões imensos
delírios sofridos e intensos
securas que me matavam aos poucos
que colocavam os meus sentidos como loucos
e teimavam em nunca terminar
chegaste!
que bom que é voltar a beber-te devagar…

2 comentários:

  1. podia ser eu!... assim tu queiras...

    ResponderEliminar
  2. sempre inebriante a tua poesia...
    bj libertyo

    ResponderEliminar